EXPOSITOR DE BLOCOS LÓGICOS

             Todo o trabalho que é costume desenvolver com os blocos lógicos - Teoria de conjuntos - fica extraordinariamente facilitado.

            É muito gratificante verificar a satisfação com que os pequenos reagem à visão ordenada de todos os predicados das peças.

            No entanto, interessa referir que o primeiro trabalho com os blocos lógicos deverá ser o de deixar os alunos brincar com eles à sua vontade, criando/compondo figuras, recreando-se.

Depois, em conversação informal, o professor introduzirá a terminologia classificativa de cada peça - cores, formas, tamanho, espessura.

       Seguidamente, poderá  o professor apresentar o quadro expositor cheio, indo os alunos buscar as peças que cada um quiser.

            É aqui que os alunos reagem positivamente à ordenação disciplinada da matemática com manifestações de espanto e admiração.

            Na fase seguinte já os alunos poderão colocar cada peça no lugar respectivo. E quase todos o farão à 2ª ou 3ª vez. E veja-se quantos problemas não terão eles de equacionar para que cada peça fique no seu lugar. Cada aluno terá de pensar lá consigo: Qual a coluna que pode conter a peça que tenho na mão? E qual a fila que pode conter a mesma peça? E depois de descobrir ambas, e achar o seu cruzamento ( intersecção dos dois conjuntos) poderá lá pendurar a sua peça.

Mais tarde, é  possível que já nomeiem os 4 adjectivos de cada peça, se se guiarem pelo lugar do expositor onde ela estiver. E pouco mais tarde já o conseguirão, tendo a peça fora do seu lugar e olhando só para ela.

            O expositor mostrará também, com clareza, os vários conjuntos de peças possíveis (as peças de cada coluna ou de cada fila são sempre um conjunto) e as peças inscritas em cada quadrado, sejam de que tamanho forem, são sempre uma intersecção dos conjuntos definidos pela coluna e fila que aí se cruzam. Se arranjarmos dois elásticos redondos, um de cada cor, daqueles que se vendem nas lojas de fazendas e lhe atarmos as pontas, podemos com eles definir as fronteiras dos conjuntos de peças de cada coluna e de cada fila, passando-os pelos pregos que previamente espetámos nos quatro vértices de cada coluna e de cada fila do quadro expositor, ficando aí muito visível e explícito cada conjunto e a sua intersecção. E os alunos poderão com muita facilidade, porque estão à vista, definir em compreensão e em extensão cada conjunto, oralmente, delimitado por cada elástico e seu cruzamento. E tudo ali ao alcance da mão!… Então não é pela mão que tudo passa antes de chegar à cabeça? Por isso o povo diz que as crianças parecem ter a vista na ponta dos dedos.

                     Exemplo de expositor        

voltar ao índice